Renato MartinsApresentação

Renato de Oliveira Martins nasceu em 19 de junho de 1967, na cidade de Porto Alegre e tem 26 anos de carreira. Desde pequeno gostava de rádio e comunicação. Quando era criança brincava com fita K7, gravador, toca discos e, também, com jornais. Desenhava e fazia histórias em quadrinhos um pouco por influência do irmão que era desenhista e trabalhava com isso. A semente da comunicação sempre esteve presente em sua família. Seu avô foi teatrólogo de peças de teatro e pesquisador. O pai, além de advogado, também pintava.

Martins tinha muita certeza desde o início de que queria trabalhar na comunicação. Tinha o sonho de ser um locutor tradicional, de ser um noticiarista e ler um noticiário em uma emissora de rádio. Ele se fechava no quarto e treinava com microfone fictício feito de um pedaço de madeira, dando a hora e a temperatura, além de ler as notícias do jornal e isso foi lhe dando treinamento de leitura, boa dicção e um ritmo melhor.

Mesmo assim, Martins acredita não ter voz de locutor, o que lhe causou grande frustração. Segundo ele, nunca teve timbre de voz de locutor e só descobriu isso aos 18 anos. De qualquer forma, o sonho de ser locutor formal continuava e foi em busca disso. Para se aperfeiçoar, fez curso de radialista na FEPLAN. E em seguida veio a primeira experiência com a comunicação. Também cursou Letras na UFRGS e, apesar de não concluir o curso, teve um bom embasamento da língua portuguesa, que o ajudou bastante na carreira.

Em julho de 1988 começou na FAMECOS o curso de jornalismo e enfatiza não ter atrasado e nem rodado em qualquer cadeira, mesmo trabalhando. Na época, conseguiu um estágio na rádio Educadora da FEPLAN, em um projeto da RBS e da FEPLAN. Também colaborava em alguns jornais de bairro, onde conseguia escrever informalmente.

Experiências profissionais:

Renato Martins implantou um projeto em uma rádio de Santa Catarina que fracassou. Com isso, voltou a Porto Alegre e começou a trabalhar como  assessor de imprensa para o deputado Paulo Odone, onde descobriu que essa não era a sua área. O próprio deputado falou que era um jornalista de veículo e que fosse tranqüilo buscar este caminho. Então, pediu ajuda a alguns amigos e entregou seu currículo em diversos veículos. Em seguida conseguiu uma oportunidade na TVCOM e, logo depois na RBSTV,  onde voltou formalmente ao mercado de trabalho. Além disso, trabalhou durante um ano na TVE e por dez anos na Bandeirantes. Na mesma época teve uma banda cover, na qual além de integrante, também era assessor de imprensa. Fez isso distribuindo seus releases nas redações.

Trabalho atual:

De 2007 até hoje, Martins trabalha na Bandeirantes como Diretor de jornalismo da Band News, Band AM e Band TV. Com toda essa experiência, fala com propriedade que o rádio está no sangue e que esta é a sua maior área de conhecimento. Para a televisão, precisou dedicar-se mais a leitura e pesquisa para conhecer siglas e expressões. Observou as pessoas e seu modo de trabalhar para saber como lidar com o meio televisivo.

Atualmente, se considera um profissional bem equilibrado dentro da Bandeirantes, um homem TV barra rádio, rádio barra TV. E o fato da redação ser integrada lhe facilitou muito, pois todos trabalham juntos.

Rotina de trabalho:

Martins acompanha o planejamento dos veículos, até as 21h, conversando com os colegas da Redação para saber o que está acontecendo. Além disso, acompanha, ao longo do dia, as duas rádios da Bandeirantes para se manter informado de tudo. Mesmo quando sai para reuniões fora da empresa, continua ouvindo as rádios seja no carro ou pelo celular. Por isso acha tão importante o rádiojornalismo, porque é um veículo de informação direta e que pode ser acessado de qualquer lugar.

* Alunos do projeto: Aline Costa e Silva, Aline Amaro da Silva, Ana Karina Giacomelli, Andressa de Bem e Canto, Bruna Lopes, Fernanda Fell, Gabriel Calvi, Juliana Ramiro